Volte ao SPIN
SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

A ideia por trás de spin: i



Forma 4: Phelix destrui tudo todo o poder ao seu redor
Ele imaginou decretou que sua maldade estava perfeita: Acabada
Humm..,,,,presente mas ausente quando poderia ser aysebte nas presente
Mariana Marcassa ausente mas presente: Perto. Abolicionista
Phaulo Byron: Perto mas longe. Escravocrata
O não estar não é uma questão de estar perto ou longe mas de pensamento
E vc PPPPPPedro(a) com sua eterna ilusão do ego que o faz um vizinho distante apesar de fisicamente perto: Como vai sua terna ilusão ou inflação ou obesidade, tanto faz
O título deste post poderia ser: A idéia por trás de spin: 4
Isso
Este é o quarto post desta noite dia ou dia noite, tanto faz



E será guardado no dia 4 http://www.josecarloslima4.blogspot.com
A escravidão não é uma questão de cor de pele e sim de pensamento
Isso é vale tanto para o escravo como para o escravocrata
E ontem mesmo fiquei a interpretar a condição de Senhor
Senhor ou escravocrata, tanto faz
Ah que povo servil: Eu humilhando a dona Silvia, querendo que ela desse conta de tudo o que perdi esqueci e ela naquela maior mansidão: Senhor, o senhor ainda precisa de mim
Eu: Claro
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
(   ) Sádico
Felix é fichinha...rsss
Ah, preciso pedir desculpas à dona Silvia
E não será perdão da boca prá fora mas sincero pois que decorrente da compreensão e, a partir de agora, ela(Silvia) passa a fazer parte desta história
E quando ela morrer será transportada para a necrópole do spin
E por acaso o título deste post não deveria ser O
OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO
De OOOOOOOOOOOOOOOOOdio à vida
Agora me lembro, num sonho sonhei com isso: Uma instalação de OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO
No chão
Então vai ficar as duas letras: P + O
,,,agmmm,,fyu
.,

De onde vem a maldade de Félix?

Novos estudos mostram por que há tanta gente como o vilão de Amor à Vida

FELIPE PONTES, COM MARIANA TESSITORE
Capa - Edição 793 (Foto: ÉPOCA)
>>Trecho da reportagem de capa de ÉPOCA desta semana: 
O vilão Félix, o maior sucesso de Amor à vida, a novela das 9 da noite da TV Globo, é a encarnação da crueldade. Interpretado pelo ator Mateus Solano, ele jogou um bebê recém-nascido numa caçamba de lixo, deixou a irmã adotiva sangrando no chão de um banheiro de bar após o parto, desviou dinheiro do hospital da própria família e encomendou o assassinato do sócio do pai para cumprir seu maior objetivo: receber uma herança milionária. Gay enrustido cuja homossexualidade só foi revelada na semana passada, Félix usava a imagem de pai de família para esconder suas ardilosidades. Agora, após a revelação, terá de recorrer a outras artimanhas. 
 Félix é apenas um personagem de ficção. Como todo personagem bem construído, porém, ele parece real. Mistura ingredientes conhecidos de gente má, sem remorso e cruel. Seu comportamento lembra criminosos com problemas neurológicos. Félix mostrou frieza emocional ao sequestrar a sobrinha Paulinha (Klara Castanho) logo após o nascimento e abandoná-la numa caçamba de lixo. Quando reencontrou a menina (já crescida e durante a recuperação de um transplante), tentou matá-la novamente. Invadiu a UTI e trocou um remédio por água. Sua tendência para a hostilidade, a dificuldade para inibir reações antissociais e a incapacidade de suprimir a raiva aparecem em quase todo capítulo. Félix tem explosões constantes e vive chamando a secretária, a discreta e eficiente Simone (Vera Zimmermann), de cadela. Nesta semana, quando descobriu que sua mulher, Edith, o traía, bateu nela e no filho, Jonathan. Somente alguém com noção reduzida de perigo é capaz de praticar tantas maldades com a certeza de sair impune.
Como Walcyr Carrasco, autor de Amor à vidarelata em sua coluna, Félix é assim por ser “uma pessoa tortuosa, reprimida desde a infância” e “fruto de um pai repressor e de uma família que finge não saber quem ele é”. Sua concepção se enquadra na narrativa tradicional sobre o comportamento criminoso, costumeiramente associado às más influências do ambiente ou das relações sociais e familiares. Nos últimos 70 anos, esse tem sido o modelo dominante entre os estudiosos do crime e da maldade. Relegadas desde que serviram de base científica para as ideologias racistas, como o nazismo, que vicejaram no mundo ocidental na primeira metade do século XX, as teorias que associam o crime a características biológicas ou genéticas voltaram gradualmente a ganhar prestígio em universidades e centros de pesquisa de renome. No ano passado, a maior conferência de criminologia do mundo – organizada pela Sociedade Americana de Criminologia – reuniu dez apresentações em que o crime era relacionado à biologia ou aos genes. Estudos defendendo que criminosos violentos podem ter predisposição biológica a cometer tais atos ganharam mais força agora, com os avanços recentes da neurociência na compreensão do funcionamento do cérebro e de sua influên­cia no comportamento humano.
>> Walcyr Carrasco: Meu filho Félix
>> Luís Antônio Giron: A ascensão da “bicha má” 


A fronteira em que a neurociência e a criminologia se encontram é explorada no livro The anatomy of violence (A anatomia da violência, em tradução livre), lançado em maio, pelo neurocientista e criminólogo britânico Adrian Raine. O livro teve grande repercussão nos Estados Unidos e no Reino Unido. Professor da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, Raine almeja fundar a disciplina da “neurocriminologia”. Ele postula que muitos comportamentos violentos, ainda que possam ser estimulados pelo ambiente, têm relação também com características neurológicas do criminoso. “Muitos criminosos violentos têm o cérebro fisicamente diferente e estruturalmente deficiente”, disse Raine a ÉPOCA. Félix, portanto, pode ter sido reprimido e querer se vingar, como sugere seu criador. Gente como ele, porém, também pode sofrer de disfunções cerebrais.


Nenhum comentário: