Volte ao SPIN
SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

PNAD-2009
UM MILHÃO DE POBRES A MENOS

Na maior crise do capitalismo mundial desde 1929, um milhão de brasileiros deixou a pobreza no ano passado, conforme os dados da PNAD-2009, processados pelo economista Marcelo Neri, da FGV. No fechamento da era FHC, em janeiro de 2003, o Brasil tinha 49 milhões de pobres; total reduzido para para 28,8 milhões agora. Ainda é muito, mas a trajetória de inclusão ganhou inegável velocidade: se considerarmos pobres aqueles que ganham até 1/2 salário mínimo por mes, o percentual da pobreza na população recuou de 44,9% no final do ciclo tucano para 29,7% agora. A renda média dos domicílios --soma de salários, benefícios sociais, aposentadorias,etc-- cresceu 3,6% ao ano desde 2004. No ciclo tucano, de 1998 a 2003, que também enfrentou crises internacionais, porém amenas perto da explosão gerada pelo fim da bolha das subprimes nos EUA, a renda média dos domicílios brasileiros caiu 4% ao ano. Ou seja, não houve anteparo social contra as intempéries brutais da meteorologia capitalista. Os mercados cuidavam do assunto...

(Carta Maior, com agências; 09-09)

Nenhum comentário: